...Autor: Laura Conrado
Título Original: Freud, Me Tira Dessa!
Ano de Lançamento: 2012
Editora: Novo Século
Número de Páginas: 104
Sinopse: Freud, me tira dessa! narra a história de Catarina, uma jovem que passa a morar sozinha em função do novo emprego. Dona de uma vida amorosa catastrófica e disposta a rever suas escolhas, Cat busca ajuda na psicoterapia. Como se não bastasse o dolorido processo de conhecer a si mesma e de adentrar na relação com seus familiares, Catarina se apaixona pelo terapeuta. No auge de sua angústia, a personagem recorre ao pai da Psicanálise para sair dessa. Por meio das confusões de Cat, é possível não simplesmente rir, mas também se identificar com a profunda trajetória de autoconhecimento e aceitação da própria história.

Eu vivia uma dicotomia: queria o mundo, viver, me jogar e aproveitar, mas também queria construir um relacionamento de verdade, ter filhos… Dentro de mim cabiam todos os desejos. Talvez por isso, algumas coisas estavam travadas: eu não tinha certeza do que queria” .

Depois de tantos best-sellers internacionais, resolvi dar atenção a um livro nacional que só pelo titulo já chamou minha completa atenção, afinal de contas, que boa estudante de psicologia não se interessaria por uma obra onde o pai da psicanálise está no titulo?

Engana-se, porém, quem imagina que se trata de um livro voltado ao mundo da “terapia”. O que temos aqui é um chick-lit de primeira, um chick-lit nacional que faria muita Marian Keys invejar a boa história criada pela brasileira Laura Conrado.

Freud, me tira dessa! Conta à história de Catarina, uma jovem mineira de 23 anos que recém-formada em administração consegue um emprego numa multinacional em Belo Horizonte. Longe da família e morando sozinha, Cat (como é chamada desde a infância) usufrui dos prazeres e desprazeres da desejada independência financeira, mas enquanto sua vida profissional parece seguir o rumo certo, sua vida amorosa é um completo desastre.

Rejeitada por um colega de trabalho com quem estava saindo, Catarina sente que no fim todos os homens a trocam por outras mulheres, inclusive Arthur, uma antiga paixão adolescente que agora assumiu namoro com Amanda, sua irmã caçula “perfeita”. Entre um choro e uma lamúria, Cat, decide que precisa de ajuda e inicia uma terapia com o psicólogo Luiz.

Tudo pareceria certo, mas as sessões de terapia se tornam mais um estorvo na vida da jovem, já que Catarina simplesmente se apaixona pelo terapeuta!

Freud, me tira dessa! é um livro divertidíssimo. Confesso que ri horrores das trapalhadas da Catarina, mas em muitos momentos me identifiquei com suas “neuras” e suas dúvidas. As sessões de terapia são minhas partes favoritas, primeiro pela nuvem de amor platônico que a protagonista cria em torno do terapeuta, mas principalmente pelos conselhos que Luiz lhe dá. De certa forma, é uma maneira de entendermos algumas questões pessoais ou de pessoas próximas a nós através dos problemas de Cat que são incrivelmente comuns.

A escrita envolvente de Laura Conrado faz com que a leitura se torne ainda mais prazerosa, já que os causos da Catarina nos transmitem a ideia de que estamos lendo nosso próprio diário ou simplesmente ouvindo uma amiga contar uma história engraçada.

Outro ponto que me agradou bastante foi o final da narrativa. Sem exageros, bizarrices ou finais felizes arranjados no último minuto, a autora preferiu seguir uma linha realista que no meu ponto de vista fechou o livro com chave de ouro.

 Sem dúvidas, uma história recomendada para quem curte uma leitura despretensiosa e divertida. A boa noticia, é que o livro ganhará continuação, e eu, logicamente, já estou ansiosa para me envolver nas novas maluquices dessa mineirinha que poderia muito bem se chamar Thatiane…

Anúncios