...Autor: Jude Deveraux
Título Original: El Refugio
Ano de Lançamento: 2003
Editora: Tapa Blanda
Número de Páginas: 560
Sinopse: O livro conta à história de três garotas que se conheceram quando estavam fazendo 21 anos de idade, as três faziam aniversário no mesmo dia, Ellie Abbott queria ser pintora, Leslie Headrick bailarina e Madison Appleby modelo, todas haviam ido para Nova Iorque afim de realizar seus sonhos e depois desse dia nunca voltaram a se encontrar. Dezenove anos depois, prestes a completar 40 anos, a vida de Ellie não havia sido nada do que ela havia imaginado, se tornou uma escritora de sucesso, mas, após um divórcio longo e traumático, perdeu tudo o que possuía, inclusive sua auto-estima. Seguindo o conselho de uma amiga, Ellie decidiu convidar Leslie e Madison para passarem um final de semana juntas, pois não queria passar sozinha seu aniversário e se sentiria segura com duas desconhecidas. Quando se reuniram, cada uma das mulheres contou a sua vida. A história de vida de Madison e mais intensa e foi a que mais perdeu ao longo dos anos, estando presa há um casamento sem amor, conheceu e perdeu o amor de sua vida de forma irreparável. Em determinado momento, quando passeiam pelo vilarejo onde estão hospedadas, recebem um cartão de uma espécie de vidente que afirma poder mudar o passado. Totalmente descrentes as três mulheres decidem procura-la e recebem a proposta de voltarem no tempo em qualquer período da vida por apenas três semanas, após isso devem escolher se querem a vida nova ou a antiga, e as três mulheres embarcam nessa viagem. 

Dentro da casa recuperaram o bom humor. Eram conscientes de que não se conheciam, de que tinham tido vidas muito diferentes e com finais completamente distintos. Entretanto, no interior da casa, eram, uma vez mais, aquelas três moças. Ainda eram as mesmas e ainda tinham um futuro pela frente.”

Jude Deveraux é conhecida por suas histórias ambientadas no período medieval, mas foi com três garotas aparentemente comuns e uma emocionante viagem no tempo que ela conquistou de vez a minha admiração. Confesso que dando uma vasculhada pela internet, achei pouquíssimas coisas relacionadas ao livro O Refúgio, o que definitivamente é uma pena, já que essa história é uma daquelas que realmente marcam, de uma maneira profunda e extremamente especial. Pelo menos para mim foi isso que ele representou.

Pois bem. O livro conta  a história de três jovens norte-americanas que se conheceram por acaso na frenética Nova York no dia em que completavam 21 anos de idade. Ellie Abbot a mais falante e divertida do grupo tinha o sonho de se transformar numa pintora famosa, Leslie Headrink havia abandonado sua vida no interior do país para seguir carreira de bailarina e a bela Madison Appleby assim como tantas jovens de sua idade procurava uma chance como modelo. Cheias de sonhos, dúvidas e expectativas as três garotas compartilham e um único dia sentimentos que jamais haviam dito a qualquer outra pessoa, ainda assim, apesar de terem construído em tão pouco tempo uma amizade tão sincera, Ellie, Leslie e Madison seguiram suas vidas e nunca mais voltaram a se falar.

Dezenove anos depois, porém, o destino, ou melhor dizendo Ellie reúne as amigas novamente para comemorarem seus quarenta anos de idade. O local escolhido para o reencontro é uma bela casa de campo no interior dos EUA, onde as três mulheres acabam revelando que suas vidas não foram nem um pouco parecidas com o que elas haviam sonhado a quase vinte anos atrás.

Ellie não se tornou pintora, Leslie abandonou a carreira de bailarina e Madison nunca teve uma chance como modelo. Cada uma com seus problemas deixavam naquele momento a aura de jovens sonhadoras para se tornarem mulheres realistas e conformadas com o que a vida havia lhes proporcionado. Entretanto, num dia, as três conhecem uma espécie de “cigana” que propõe uma viagem no tempo onde elas teriam apenas duas semanas para de certa forma refazerem sua história.

Parece maluco, mas é exatamente nesse momento que o livro se torna extremamente especial. Cada uma delas perdeu coisas valiosas durante a vida, Madison foi a que mais sofreu, sem dúvidas (prefiro não revelar detalhes, mas essa garota teve uma vida difícil) e naquele momento recebem a chance de mudar o passado, ou de quem sabe perceber que o que elas tem na atualidade é ainda mais valioso que qualquer carreira ou bem que pudessem ter construído ao longo dos anos.

Acredito que neste ponto, assim como todos nós, uma vez na vida, as protagonistas tem um confronto com suas escolhas. Entendo essa viagem no tempo como uma espécie de introspecção em nossos pensamentos. Na ficção elas tiveram a chance de reescrever no passado, mas na vida real temos a chance de fazer nossas escolhas com plena consciência de suas consequências. É muito mais difícil, é verdade, mas ás vezes precisamos ser um pouco mais “egoístas”.

Digo isso, porque analisando a história, percebi que as três garotas abriram mão de seus próprios sonhos para viver o sonho de outras pessoas e a longo prazo esse altruísmo acabou custando caro. Não estou dizendo que não devemos ajudar as pessoas, não entendam deste modo, mas ás vezes é necessário pensarmos no que “realmente queremos” e não no que “o outro quer”.

Enfim. Poderia ficar aqui horas divagando sobre o assunto, mas daí já seria outra história! Apenas recomendo essa belíssima obra  que chamou ainda mais a minha atenção para o trabalho sensível de Jude Deveraux.

Anúncios