Autor: Francine Rivers
Título Original: Redeeming Love
Ano de Lançamento: 2010
Editora: Verus
Número de Páginas: 460
Sinopse: Amor de redenção começa com a Corrida do Ouro de 1850 e sua atmosfera de dura competitividade e ganância. Angel, vendida como prostituta quando criança, aprendeu a desconfiar de todos os homens, que a veem apenas como uma forma de satisfazer seus desejos. Quando o virtuoso Michael Hosea recebe de Deus a ordem de se casar com Angel, ele obedece, apesar de seus receios. Com o tempo, ela aprende a amar não só Michael, mas também Deus.

Ela sempre pareceu muito forte. E era mesmo. Forte o bastante para suportar todo aquele abuso indescritível e sobreviver. Forte o bastante para se adaptar a qualquer coisa. Forte o bastante para se isolar entre muros que achava que a protegeriam. Que escolha poderia ter? E como poderia compreender o que ele estava lhe oferecendo agora?”

Amor de Redenção é um daqueles poucos livros que realmente conseguem mexer com o coração do leitor. Confesso que inicialmente, apesar de ter gostado da capa e do nome da obra, não sabia exatamente o que esperar da história. Bom… isso foi só o começo mesmo, porque depois de me deparar com algo tão lindo e surpreendente foi praticamente impossível largar o livro para fazer qualquer outra coisa. Eu só tinha olhos e pensamentos voltados para esse magnifico romance!

Na história conhecemos a jovem Angel, uma garota que desde muito cedo sofreu maus bocados nas mãos de pessoas egoístas, gananciosas e cruéis. Vendida como prostituta quando ainda era uma criança, Angel é com toda razão uma mulher amargurada e desiludida com a vida – principalmente com os homens – até se deparar com a inabalável fé e o amor do simples fazendeiro Michael Hosea.

Michael é um homem puro, virtuoso, educado e temente a Deus que se apaixona instantaneamente por Angel e sente que apesar da absurda ideia de um homem como ele se casar com uma prostituta, aquele amor é um chamado de Deus. Michael sabe que tem a missão de ajudar Angel se redimir de seus pecados e finalmente encontrar a fé, mas a tarefa não será fácil, já além do preconceito de pessoas como um personagem insuportável chamado Paul, ele terá que enfrentar a própria resistência da garota que simplesmente rejeita a ideia de  que seja merecedora de um amor tão puro e incondicional.

– Se alguém soubesse como ou por que as pessoas se apaixonam, certamente mandaria engarrafar e venderia numa daquelas carroças que rodam por aí vendendo curas. Não foi sua aparência. Não é porque agora adoro o seu perfume e o seu gosto. Sabe que não é isso – ele disse e a beijou.- É uma parte – ela suspirou.- Deus sabe que isso é verdade, mas é algo que vai além disso. Uma coisa que não se vê. Você me chamou naquele dia em que passou andando, e a única coisa que pude fazer foi responder.- Você disse isso antes – E ainda não acredita em mim. – Ah, Michael. A vida fez coisas comigo. Estou tão cheia de… – ela parou, apertou os lábios e olhou para trás de Michael, sem poder encará-lo. – De quê? Ela afastou os fios de cabelo de suas têmporas. – Vergonha – Angel conseguiu dizer, com a voz entrecortada.”

Admito que por muitos momentos o egoísmo de Angel me encheram de raiva. Como ela podia não perceber que Michael realmente a amava? Que o seu passado não fazia diferença para ele? Mas para ser bem sincera, Amor de Redenção despertou um verdadeiro misto de sentimentos e principalmente a noção de que eu também precisava me redimir com Deus.

Isso mesmo. Sei que é meio esquisito falar sobre isso no meio de uma resenha, mas sempre acreditei num Deus, numa força maior que rege esse mundo louco em que vivemos – a questão é: nunca fui religiosa, nem sou agora, mas de uns tempos para cá minha relação com Deus estava desgastada, desajustada, desacreditada e ler uma história como a de Michael e Angel foi como reacender algo que sempre esteve comigo, mas que estava, de certa forma, “apagado”. Em outras palavras, poderia dizer que eu recuperei minha crença em Deus.

Mas não se “assustem”. O fato de “Amor de Rendenção” ser um livro cristão não o faz chato, parado ou daquele tipo que fica de empurrando goela abaixo uma série de dogmas e crenças. Com maestria, Francine Rivers conduz a sofrida trajetória de Angel de uma maneira tão única e simples que mesmo os mais desacreditados serão capazes de sentirem tocados por essa linda história.

Eu realmente não sei se a autora tem outros títulos publicados no Brasil, mas tenho certeza de que se experiência for tão boa como esta minha pequena “biblioteca particular” estará – em breve – recheada de obras de Francine Rivers!

p.s: comentário tosco do dia – quem leu meu post abaixo já deve imaginar que ator a minha cabecinha oca insiste em imaginar interpretando Michael…

Anúncios