...Autor: Harlan Coben
Título Original:  Tell No One
Ano de Lançamento: 2001
Editora: Arqueiro
Número de Páginas:
Sinopse: David Beck e sua esposa Elizabeth comemoram o aniversário de seu primeiro beijo quando uma tragédia interrompe o clima de romance: Elizabeth é brutalmente assassinada. O caso acaba sendo resolvido e o assassino, condenado. No entanto, David não consegue superar a morte de Elizabeth. Depois de oito anos, ainda se lembra de todos os detalhes. Mas é no dia do aniversário de morte de Elizabeth que a história realmente começa. Uma estranha mensagem aparece no computador de David, uma frase que somente ele e a esposa conhecem. De repente ele depara com o que parecia impossível – em algum lugar, de alguma maneira, Elizabeth está viva. Ele é advertido para que não conte a ninguém e envolve-se em um sombrio e mortal mistério, sem saber que já está sendo seguido por alguém que o tentará deter antes que descubra toda a verdade.

Se eu tivesse contado a verdade desde o inicio…”

Harlan Coben é sem dúvidas, um dos nomes mais famosos da literatura mundial. O estranho, é que mesmo sabendo de toda a sua fama e reconhecimento, jamais havia lido uma frase escrita por ele até me deparar com “Não Conte a Ninguém” uma de suas publicações mais famosas que além de ter sido indicado aos prêmios mais importantes do circuito da literatura, também havia sido adaptado para o cinema francês numa produção vencedora de quatro Cesars (o Oscar da França).

Ou seja. A história não é qualquer coisa, e sabendo de tudo isso, não posso deixar de dizer que quanto mais eu lia, mais interessada e ansiosa com os mistérios eu ficava. Sabe aqueles livros ágeis e cheios de acontecimentos que te fazem repetir a infame frase “só mais uma capítulo” a cada página virada? Pois é… “Não Conte a Ninguém” é exatamente assim!

… Faço um esforço medonho para não pensar nisso. A mente não deveria visitar certos lugares, mas a minha sempre acaba sendo levada ate lá”

A história gira entorno do médico David Beck que há oito anos perdeu a esposa, Elizabeth, num trágico assassinato enquanto o casal comemorava o aniversário de seu primeiro beijo. O caso foi amplamente investigado e o suposto assassino preso. Beck, entretanto tem dificuldades para seguir em frente e superar a morte do grande amor de sua vida, principalmente por se sentir culpado, já que na ocasião ele foi duramente golpeado na cabeça e consequentemente “impedido” de fazer qualquer coisa para tentar salvar a vida da esposa.

As lembranças de Beck voltam com ainda mais força, quando o médico recebe uma misteriosa mensagem com um código que somente Elizabeth poderia conhecer, fazendo com que o médico restaure uma impossível esperança: sua esposa pode estar viva. Ao mesmo tempo, dois corpos são encontrados próximos ao lago em que o casal foi atacado, incitando a polícia não só a reabrir o caso, mas a revelar suspeitas que apontam David como principal suspeito dos assassinatos.

A partir daí uma série de eventos faz o presente reencontrar um passado repleto de histórias e mentiras muito bem escondidas. David, encurralado e ao mesmo tempo esperançoso com a possibilidade de Elizabeth estar viva, acaba virando alvo de bandidos perigosos e conta com a ajuda de algumas pessoas (como um traficante de drogas e sua cunhada/ melhor amiga Shauna) para tentar se livrar das acusações e finalmente descobrir o que realmente aconteceu naquela fatídica noite de oito anos atrás.

Aprendi que o fato de você não consegue ver nenhuma outra explicação não significa que ela não exista. Significa apenas que você não consegue enxergá-la”

“Não Conte a Ninguém” é um típico thriller policial com personagens que você não consegue decifrar logo nas primeiras páginas. Não existem mocinhos ou vilões completos, todos tem seus momentos e segredos a esconder. Confesso que logo no começo a história me fez lembrar “Garota Exemplar“, mas no decorrer do livro, apesar de algumas “semelhanças” as coisas acabam seguindo rumos completamente opostos.

Palpiteira do jeito que sou, passei boa parte da história montando finais para o mistério da morte de Elizabeth, mas nenhuma delas contemplou o que foi criado por Harlan. A história é totalmente intricada. Cada diálogo, cada frase – do protagonista aos personagens mais secundários – carregam um sentido final. Obviamente não estamos falando de uma mega-super-hiper obra prima, mas “Não Conte a Ninguém” cumpre seu papel de maneira primorosa. Sem dúvidas, trata-se de um livro instigante e que merece muita atenção!

Anúncios