A_COLCHA_DE_DESPEDIDA_1366918143PTítulo Original: The Goodbye Quilt
Ano de Lançamento: 2013
Editora: Harlequin Brasil
Número de Páginas: 285
Nota: 3/5

“A Colcha de Despedida” é um livro repleto de momentos singelos. De uma maneira simples e arrebatadora, Susan Wiggs constrói através das páginas de seu romance, uma jornada que nos transporta para o aconchegante e temeroso coração de uma mãe.

Linda Davis é uma mulher na casa dos quarenta anos que precisa lidar com um dos momentos mais aterrorizantes de sua vida: a despedida de sua única filha, Molly, que está prestes a ingressar numa prestigiada Universidade à quilômetros de distância de sua pacata cidade natal.

Para nós esse “rito de passagem” geralmente funciona de uma maneira diferente, mas para a grande maioria dos jovens norte-americanos, ir para a faculdade significa sair do conforto da casa em que cresceram para viverem os primeiros anos de sua vida adulta num pequeno dormitório universitário.

Molly, obviamente, está ansiosa para a nova empreitada, sua mãe porém, vive o dilema de apoiar os sonhos de sua filha e ao mesmo tempo mandá-la para uma cidade nova e completamente desconhecida. Dessa forma Wiggs narra através do ponto de vista de Linda, os medos, anseios e desejos que uma mulher passa a vivenciar a partir do momento em que se torna mãe.

Os capítulos seguem justamente a viagem que mãe e filha fazem juntas para preparar a grande mudança de Molly. Por todo caminho, além de revelarem a si mesmas coisas que nunca imaginaram sobre a outra, Linda utiliza o seu grande dom para a costura para preparar um quilt (uma espécie de “colcha de retalhos”) que por rememorar cada “pedacinho” dos momentos mais importantes da vida de Molly, acaba sendo um “grande protagonista” dentro da história.

“Sempre achei que um quilt costurado com as lágrimas de uma mulher é o mais forte dos projetos”

“A Colcha de Despedida” é sem dúvidas um livro extremamente emocional. Para as mulheres que já se tornaram mães, seja talvez uma experiência ainda mais arrebatadora. Para mim porém, foi um pouco injusto não ter um capítulo narrado somente por Molly, já que em boa parte da história só conhecemos a personagem através da visão “apaixonada” de sua mãe, tendo apenas  pequenos lampejos de suas “verdades” através dos momentos de “embate” entre mãe e filha.

Outra coisa que me incomodou durante a narrativa, foi o final dado à história. Não que eu realmente esperasse uma grande reviravolta, o que me deixou realmente irritada, foi o grande e completamente desnecessário salto temporal que autora dá em sua história. Falar sobre isso sem dar um super spoiler é realmente difícil, por isso, me limito a dizer que a “grande conclusão” do livro não necessitava dessa grande passagem de tempo. Muito pelo contrário, a escolha da autora pareceu forçada e abriu muitas brechas para algumas explicações que um final sem esse recurso jamais pediria.

De modo geral, é uma bela história. Não é o livro da minha vida, mas serviu para reforçar não só os meus laços com a minha mãe, mas a própria força que esse tipo de relação sempre possuiu. Não há nada mais duradouro e verdadeiro que o amor de uma mãe pelo seu filho, e Linda é justamente o retrato de todas essas mulheres fortes que abdicam muito de suas vidas para proporcionarem o melhor a seus descendentes.

Para quem gosta de livros delicados, com temas familiares e algumas pequenas lições, “A Colcha de Despedida” é a pedida certa para essas tardes frias e tediosas dos últimos dias. 😉

Anúncios