A_ESCOLHA_1391716774PTítulo Original: The One {The Selection #3}
Ano de Lançamento: 2014
Editora: Seguinte
Número de Páginas: 352
Nota: 3/5

 Não contém spoilers dos volumes anteriores

Depois de muita espera, eis o “gran finale” da distopia de Kiera Cass. E como eu esperei por isso. Os dois primeiros volumes da trilogia, foram sem dúvidas, os meus dois queridinhos no ano passado e por conta disso, nada mais natural que eu estivesse ansiosa e cheia de expectativas pelo desfecho da história de America, Maxon e companhia.

Em “A Escolha” America, a candidata mais improvável para a seleção, ainda vive o sonho de ser a possível escolhida do príncipe Maxon. Obviamente ainda há muitos percalços a percorrer. Neste último volume da trilogia, acontece de tudo um pouco: dos romances mal resolvidos da protagonista que apesar de não parecer tão dividida quanto antes, ainda enfrenta alguns problemas no triângulo com Maxon e Aspen, até um enfoque maior nas questões políticas até então pouco exploradas nos volumes anteriores.

“Não importa o que você pensa do seu caráter. Só importa o que você faz com ele.

Outro ponto interessante do livro foi a verdadeira humanização das outras participantes que restaram na seleção. America se aproxima de cada uma delas e aos poucos o leitor também chega um pouquinho mais perto das garotas e entende algumas motivações por trás de suas ações e personalidades.

Mas nem tudo são flores. Apesar do final satisfatório e condizente com o rumo que a trama acabou tomando, tenho muitas ressalvas quanto à maneira como a autora conduziu o desfecho. O primeiro grande problema é a maneira corrida em que toda a história parece se desenrolar. Desde o primeiro capítulo o leitor tem a sensação que há uma “corrida contra o tempo” e que o final da protagonista precisa ser contado da maneira mais rápida possível. Essa sensação, aliás, fica ainda maior à medida que nos aproximamos do final da história

Por falar nos últimos momentos aliás, diria que fiquei profundamente decepcionada com as soluções de todos os problemas apresentados ao longo dessa história (não só do livro em si mais de toda a trilogia). Além da verdadeira “correria” para amarrar as pontas soltas, Kiera Cass, recorreu as situações mais clichês possíveis para terminar de vez o terceiro volume da série que encantou tantos leitores pelo mundo.

Sei que as coisas nem sempre acontecerão como desejamos e que precisaremos nos esforçar para nunca esquecer os motivos da nossa escolha

Tudo bem, eu sei que se trata de um livro com triângulo amoroso e romancezinho clichê, mas custava desenvolver um pouquinho melhor as motivações por trás das ações do trio principal? Sem contar, as mortes desnecessárias e a falta de uma real finalização para o lado político da história (e a própria relação de America e Maxon com o rei Clarkson que até agora é uma verdadeira incógnita para mim).

De modo geral, a grosso modo diria que a trilogia é realmente encantadora. Entretanto, leia a história com as perspectivas certas. A trilogia “A Seleção” não é uma distopia para se pensar sobre o mundo, mas um livro de romance que traz como adicional, algumas questões bem superficiais sobre política e sociedade.

Sim eu gosto muito da série, mas ao ler “A Escolha” fiquei com um gostinho amargo da decepção e uma pontinha de esperança que esse não seja realmente o final tudo. Afinal de contas, apesar de tudo, a história ainda renderia mais um livro e que dessa vez seria lido sem a menor perspectiva, com a ideia de que tudo não passa de mais um romance fofo com uma clássica protagonista que desperta as sensações mais díspares no leitor.

Os livros da trilogia:
1 – “A Seleção| Resenha
2 – “A Elite” | Resenha
3 – “A Escolha”

Anúncios